Uso da vírgula antes do “mas”

Descubra o correto uso da vírgula antes do “mas” e outras formas de usar a pontuação para melhorar as suas redações.

, 30 de abril de 2019

Embora pareça um assunto bem simples, ainda existem muitas confusões a respeito do uso da vírgula com a conjunção “mas”.

Por isso, neste artigo vamos mostrar cada situação em que você vai precisar – ou não – da vírgula junto a essa conjunção coordenativa (quase sempre) adversativa.

O “mas” é uma conjunção adversativa

mas

conjunção
1 conj. advrs. liga orações, sintagmas ou períodos com as mesmas propriedades sintáticas, introduzindo elemento que denota basicamente oposição ou restrição ao que foi dito, com uma informação que para o enunciador tem maior importância do que a anterior; porém, contudo, entretanto, todavia

(Houaiss)

Clique e siga-nos também no Instagram: @revisaoparaque

O que quer dizer conjunção adversativa exatamente? É até bem simples: quando temos duas orações, o mas é usado para contradizer a ideia da oração à esquerda. Assim:

  • [João amava Maria], mas [Maria não amava João].
  • [Queria uma casa vermelha], mas [acabou pintando a sua de azul].

O “mas” também pode ser uma conjunção aditiva

O danado do mas pode nos pregar uma peça, porque em questões de língua nada é tão simples quanto parece. Assim, às vezes, ele pode dar uma ideia de adição e ser pontuado como as orações aditivas.

Veja mais detalhes sobre esses usos nos exemplos abaixo.

Uso da vírgula com a conjunção “mas”

Agora que você já entendeu os sentidos básicos da conjunção, podemos partir para o uso da vírgula com o mas.

1. Mas com vírgula antes

Existe por aí uma lenda de que o mas é sempre virgulado. No entanto, a vírgula precede essa conjunção quando ela tem sentido adversativo. Ok, ok! Isso é, tipo, 90% dos casos (uma estatística oferecida pelo Instituto Revisão para quê?).

Exemplo:

  • Se você fez belíssimas sessões de análise de texto e de comunicação, mas seus alunos não aprenderam ortografia, concordância, regência e ... pontuação, você é um mau professor de Português.

(Exemplo retirado de Luft, em A vírgula.)

2. Mas sem vírgula antes

Piacentini, no Manual da boa escrita, registra o mas “desvirgulado” quando ele coordena dois termos (em oposição à coordenação de duas orações), o que também é possível inferir do que diz Cegalla no Dicionário de dificuldades (p. 261): “Usa-se vírgula antes de mas entre duas orações” (negrito nosso).

Veja o exemplos dados por Piacentini (p. 35):

  • Sou pobre mas feliz.
  • Esperava que confessasse não um pecado mas uma infâmia.
  • Podes alugar uma casa antiga mas limpa, pelo menos.

Azeredo, no entanto, na Gramática Houaiss da língua portuguesa, coloca virgulado o mesmo tipo de construção em exemplo:

  • A secretária dele é antipática, mas competente.

“Mas” com valor aditivo

Embora seja bastante difundida a possibilidade de não haver vírgula antes de um mas com sentido aditivo, encontrar tal regra explicitada em materiais de referência não é tarefa simples.

Quem mais se aproxima de falar sobre essa possibilidade é Bechara, na Moderna gramática portuguesa:

Muitas vezes, graças ao significado dos lexemas envolvidos na adição, o grupo das orações coordenadas permite-nos extrair um conteúdo suplementar de “causa”, “consequência”, “oposição”, etc. Estes sentidos contextuais, importantes na mensagem global, não interessam nem modificam a relação aditiva das unidades envolvidas: Rico e inteligente e rico e desonesto, ambas se unem por uma relação gramatical de adição, embora a oposição semântica existente entre rico e desonesto apresente um sentido suplementar, como se estivesse enunciado rico mas desonesto. O mesmo se dá se uma unidade for afirmativa e outra negativa: rico e não honesto.

3. Mas com vírgula depois e mas sem vírgula depois

Já disse Bechara no seu Novo dicionário de dúvidas da língua portuguesa (p. 187):

Não se deve usar vírgula depois de mas em início de período, exceto quando as vírgulas delimitam uma oração ou adjunto adverbial em casos do tipo: “Mas, quase sem perceber, foi andando em direção contrária, até encontrar o enorme muro […].” (Carlos Heitor Cony, Vera Verão); […]

É normal que, ao pronunciarmos uma frase como essa do exemplo em voz alta, façamos uma pausa depois do mas; entretanto, essa pausa não corresponde a uma vírgula, a não ser que haja, como mostrado, uma intercalação virgulada subsequente.

Outros casos de vírgula e expressões que contêm “mas”

O mas também compõe expressões que podem ou não aparecer virguladas. Veja quais são e seus exemplos.

Vírgula na expressão “não só… mas também” e suas variações

É, de acordo com Azeredo, na Gramática Houaiss da língua portuguesa, um adjunto conjuntivo com valor aditivo. Embora aprendamos que coordenações com o traço semântico de adição não são separadas por vírgula, o mas que faz parte dessa expressão geralmente é também antecedido por vírgula.

  • “Em tais ocasiões, participavam das festividades não apenas os moradores do núcleo urbano, mas também aqueles dos sítios e fazendas dos arredores…” [MELO e SOUZA, 1997: 113]

(Exemplo retirado da mesma gramática.)

Vírgula na expressão “mas sim”

Considera-se que a união das duas palavras forma uma unidade de significado, portanto, não é necessário que se separe o “sim” por uma intercalação de vírgulas, como: “Não se deve falar em descobrimento do Brasil, mas sim em chegada dos europeus” (exemplo retirado de Piacentini).

Referências


Links afiliados: quando você adquire as obras referenciadas por meio dos links que divulgamos aqui, ganhamos uma pequena porcentagem do valor dessa venda.


Escrito por Carol Machado,
em 30 de abril de 2019.
Mestranda em Ciências da Linguagem na Universidade Nova de Lisboa. Graduada em Letras pela PUCRS. Revisora desde 2008. Autora do Manual de Sobrevivência do Revisor Iniciante. :)
Foto de Carol Machado