O que muda na NBR 6022:2018 – Artigo científico

Em maio deste ano, tivemos a atualização da ABNT NBR 6022. Se você ainda está por fora do que mudou, ficará sabendo neste artigo.

, 3 de outubro de 2018

Foram introduzidas diversas alterações na ABNT NBR 6022:2018, visando principalmente à modernização da norma de acordo com as (nem tão) novas plataformas de distribuição de artigos científicos.

Essa norma é relevante porque muitas faculdades exigem como trabalho de conclusão de curso não uma monografia, mas um artigo científico do aluno. Além disso, esses tipos de publicação também são bastante comuns em pós-graduações, mestrados e doutorados.

Em muitos cursos de ensino superior ou de pós-graduação, servem também como documento final, caracterizando-se como monografia, trabalho de conclusão de curso (TCC), dissertação. (SCHEIBEL; VAISZ, 2006, p. 59)

Veja o artigo ABNT para principiantes: referenciação básica caso queira saber sobre referenciação ABNT.

O que é um artigo científico

Em resumo, artigos científicos são textos que relatam experimentos ou fazem um apanhado de referências relevantes para determinada área de estudo. Por isso, um de seus objetivos é informar à comunidade os estudos que estão em desenvolvimento.

Um artigo científico visa tanto ao comunicar quanto ao compartilhar com a comunidade científica o processo e o resultado de alguma investigação. (…) Há dois tipos de artigos: o de revisão bibliográfica, que contempla um referencial teórico sobre um determinado tema, e o científico, que apresenta e discute resultados alcançados em uma investigação experimental ou aplicada. (SANTOS; CANDELORO, 2006, p. 41)

Outra característica definidora é seu meio de publicação, uma vez que geralmente são destinados a revistas científicas.

Sua característica principal é a publicação em periódicos ou revistas científicas especializadas para levar o conhecimento dos resultados de uma pesquisa bibliográfica, documental ou de campo (…). (SCHEIBEL; VAISZ, 2006, p. 59)

O que muda na ABNT NBR 6022

A primeira versão da norma foi publicada em 1974 e, desde então, sofreu alterações em 1986, 1994, 2003 e, a mais recente, 2018.

Na seção 2 – Referências normativas foram acrescentadas as normas de apresentação tabular do IBGE.

A seguir, temos mudanças na seção 3 – Termos e definições

  • O item 3.1 agora pertence à entrada “agradecimento”, cuja explicação ressalta seu uso apenas como forma de dar créditos a quem contribui de forma relevante para o estudo.
  • O item 3.10 passa a referir-se ao DOI (digital object identifier), usado em repositórios digitais para identificação.
  • Foi acrescentado o item 3.18 periódico técnico e/ou científico (remete ao 3.19 apenas) e o 3.19 publicação técnica e/ou científica, que deixou de usar a palavra “impressa”.
  • Adicionou-se o item 3.22 seção.

Na versão de 2003, a seção 3 contava com 25 pontos, ao passo que a nova tem 27.

A seção 5 – Estrutura também sofreu bastantes mudanças

  • Foi acrescentado um esquema ilustrativo da nova estrutura dada aos artigos científicos.
  • Elementos pré-textuais:
    • título/subtítulo (já eram);
    • autor (já era);
    • resumo em língua vernácula (já era) resumo em língua estrangeira (passou a ser);
    • datas de submissão e aprovação (passaram a ser);
    • identificação e disponibilidade – DOI ou endereço eletrônico (passaram a ser).

Vale observar que a versão 2018 da norma não menciona palavras-chave, porque se tratava possivelmente de uma redundância da versão 2003. A nova norma apenas remete à NBR 6028, de resumos, que já oferece diretrizes para a apresentação das palavras-chave.

  • Na parte de elementos textuais, “conclusão” passou a “considerações finais”.
  • As notas explicativas não mais são consideradas elementos pós-textuais, mesmo porque raramente se usam notas de fim em artigos.
  • O título e o resumo em língua estrangeira foram movidos para os elementos pré-textuais, logo, passam a figurar logo após as versões vernáculas.
  • Continuam como elementos pós-textuais as referências, o glossário, os apêndices e os anexos.
  • Ainda aos elementos pós-textuais foi adicionado o item 5.35 – Agradecimentos, que deve aparecer por último.
  • Ao item ilustrações foi adicionado um exemplo.

Onde encontrar a NBR 6022:2018

Você pode adquirir a norma completa no próprio site da ABNT: http://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=395357.

Impressões gerais

Provalmente a atualização desta norma veio para adequar a padronização a muito do que já era realidade há alguns anos na área acadêmica.

Por fim, outro ponto interessante é ter-se trazido para os elementos pré-textuais o resumo em língua estrangeira, deixando o formato do artigo mais parecido com o aplicado ao que se estabelece na NBR 14274 – Trabalhos acadêmicos – Apresentação.

Referências

SANTOS, Vanice dos; CANDELORO, Rosana J. Trabalhos acadêmicos: uma orientação para a pesquisa e normas técnicas. Porto Alegre: Age, 2006.

SCHEIBEL, Maria Fani; VAISZ, Marinice Langaro. Artigo científico: percorrendo caminhos para sua elaboração. Canoas: Editora da Ulbra, 2006.


Escrito por Carol Machado,
em 3 de outubro de 2018.
Mestranda em Ciências da Linguagem na Universidade Nova de Lisboa. Graduada em Letras pela PUCRS. Revisora desde 2008. Autora do Manual de Sobrevivência do Revisor Iniciante. :)
Foto de Carol Machado