Conheça algumas formas de orçar uma revisão de texto

Veja as formas mais comuns de orçamento e qual delas se adapta melhor ao seu trabalho.

, 26 de setembro de 2013

Como orçar uma revisão de texto é dúvida comum quando estamos começando a carreira de revisor freelancer. A primeira ideia que temos é cobrar por página, que é algo com que lidamos todos os dias e temos mais familiaridade.

No entanto, nem sempre essa cobrança por página será vantajosa para você e para seu cliente. Há, como veremos a seguir, outras opções tão interessantes quanto, basta escolher a mais adequada ao tipo de texto a ser orçado.

Se você está procurando um revisor de textos profissional, peça seu orçamento aqui.

Vejamos, então, em quais situações é mais vantajoso cobrar por lauda, por página ou por palavra.

Cobrando por página

Essa forma de cobrar é vantajosa para você e seu cliente quando o material já está impresso, diagramado e pronto para a leitura final. Ou seja, o ideal é que se cobre por página quando for preciso conferir também o layout das páginas. Assim, você já terá uma ideia bem clara da quantidade de texto e do estilo do livro e estará apto a cobrar o justo.

É importante ressaltar que, geralmente, a primeira revisão (ou preparação de originais/copidesque) não é feita no material diagramado, mas sim em um arquivo editável, uma vez que nessa etapa as alterações são muitas e fica difícil marcar tudo sem gerar confusão para o diagramador. Sendo assim, apenas a leitura final é recomendada para esse caso, pois as alterações devem ser poucas e a marcação em papel ou PDF fica mais fácil para as posteriores emendas.

Cobrando por palavra

Essa pode ser uma saída quando, por exemplo, temos uma peça pequena e fechada para revisar (um banner, por exemplo). Há quem já tenha um valor fixado por peça, independentemente da quantidade de texto que apresentar. Há quem prefira um método de cobrança mais exato, então, opta pela contagem de palavras. Esse é o modo mais utilizado pelos tradutores em seus orçamentos, mas não é comum entre revisores.

Tem, ainda, a vantagem de ser simples para explicar ao cliente o método como é calculado o orçamento e ao mesmo tempo se justa para ambas as partes, por levar em consideração apenas o texto, pura e simplesmente.

Cobrando por lauda

Leia aqui um post completo sobre o que são laudas e como elas podem ser calculadas. A seguir, apresentamos um resumo para que você acompanhe este artigo.

Muito importante: lauda não é o mesmo que página. A lauda não é medida pelo tamanho da folha em que o texto está inserido, mas pelo número de caracteres (com ou sem espaços). Nesse sistema, independe a formatação do texto, por exemplo, o tamanho de fonte utilizado, o espaçamento entre as linhas ou entre os parágrafos etc. Assim, se no conteúdo houver imagens a revisar, elas precisarão ser orçadas à parte.

Então, o que é lauda?

(lau.da)
1. Página de livro impressa ou em branco.
2. Cada lado de uma folha de papel.
3. Edit. Cada folha de um original escrita de um lado só.
4. Edit. Página (de papel ou eletrônica) us. como padrão para os originais a serem entregues a uma editora ou jornal, dividida em número convencionado de toques e de linhas. (Fonte: Aulete)

Para a nossa explicação, levaremos em conta a definição de lauda número 4 apresentada pelo dicionário.

Tamanho da lauda

O que mais gera controvérsias, no mundo editorial, é o tamanho da lauda. A bem da verdade, cada revisor adota o tamanho de lauda que mais lhe é pertinente. Sendo assim, não há só um tamanho padronizado, mas vários que podem ser adotados de acordo com o tipo de trabalho. Os tamanhos mais utilizados são: 1.250, 1.400, 1.600, 1.800 e 2.100 caracteres com espaços.

Superada essa dificuldade na delimitação da lauda, talvez você encontre também dúvidas da parte do cliente sobre o conceito de lauda e o porquê de a página não ser adotada como parâmetro. Pois bem, não se desespere! Com um pouco de paciência eles conseguem entender e fica tudo certo. O segredo é você dominar bem o conceito e saber explicá-lo de forma simples, mostrando as vantagens do modelo.

O cálculo da lauda é simples. Você deve encontrar o número total de caracteres com espaços do arquivo e dividi-lo pelo número de caracteres que tem a sua lauda. O resultado pode ser arredondado para mais ou para menos e será o número de laudas que você está procurando.

De forma resumida, seria: número total de caracteres com espaços ÷ tamanho da lauda = número de laudas do arquivo

Outras situações

Se for solicitado que você trabalhe na empresa contratante e não no seu local de trabalho habitual, é possível que seja necessário orçar por hora ou dia. Fique atento aos valores praticados na sua região ou estado, bem como aos custos envolvidos no processo, como o deslocamento e a alimentação fora de casa.

Conclusão

Para orçar revisão, preparação de originais ou copidesque, principalmente de livros, considero a lauda o melhor método. A página, como vimos, pode variar em formatação, o que influencia na quantidade de texto, podendo trazer vantagens e desvantagens tanto para o cliente quanto para o revisor.

Além disso, digo que só a experiência trará o conhecimento necessário para fazer um bom orçamento. Isso porque é preciso conhecer bem as características do próprio trabalho, o tempo investido para concluir cada atividade e o melhor sistema de cálculo. Por isso, não se frustre caso os primeiros orçamentos não sejam completamente satisfatórios em relação ao trabalho que você teve. Com o tempo, pega-se o jeito. ;)


Escrito por Carol Machado,
em 26 de setembro de 2013.
Mestranda em Ciências da Linguagem na Universidade Nova de Lisboa. Graduada em Letras pela PUCRS. Revisora desde 2008. Autora do Manual de Sobrevivência do Revisor Iniciante. :)
Foto de Carol Machado